NEM JEFF, NEM WILL. EDU LYRA É UM DOS NOMES QUE VAI MUDAR O BRASIL

EDU LYRA PARA NOSSA CAPA DIGITAL: "A minha vida é uma resposta para o sistema, para estatística"

Preto, pobre, favelado, filho de diarista com ex-presidiário. Para muitos, o parágrafo inicial de uma matéria no caderno policial, o retrato de uma realidade na qual o futuro também parece sentenciado. Para Edu Lyra, paulistano de Poá, o ponto de partida de uma vida em resposta ao sistema, às estatísticas. Ponto fora da curva, é verdade. Um dos principais nomes do empreendedorismo social, sob o comando da Gerando Falcões, não nega que sua trajetória, que inclui palestra em Harvard e menção na Forbes – um pouquinho de glamour em meio a tanto “corre”, num percurso definido por ele como de muita vontade e pouquíssima genialidade – foi exceção. “Eu adoro saltar obstáculos,  adoro desafios, porém, sei que a minha história é exceção da exceção, não é a regra num Brasil tão desigual e caras como eu precisam dedicar sua vida para fazer com que histórias com a minha se tornem a regra.”

 

Na entrevista a seguir, esse homem de alma engenheira, apaixonado por corrida, livros e problemas (os quais considera parte da solução) conta mais sobre a batalha inglória, porém possível, de colocar a miséria da favela no museu.

 

 

PING PONG

inVoga: Você conta que, ainda muito jovem, ouviu uma frase da sua mãe que te marcou muito, na qual ela dizia que, na vida, não importa de onde você vem e, sim, para onde você vai. Quem é o Edu, de onde ele veio, onde ele se encontra agora e para onde ele vai?

 

 

Edu Lyra:  Eu venho da favela, da pobreza extrema, de um ambiente de muita escassez, de visitar meu pai no presídio, de morar dentro do barraco, de não ter um berço para dormir, de viver numa favela sem creche, sem escola e sem saneamento básico. Hoje, hoje eu estou onde lutei muito para chegar, construí meu próprio mapa, de vencer a exclusão social. Para cada muro que encontrei na vida tentei construir uma ponte e foi assim que me tornei empreendedor social, fundador da Gerando Falcões, que é uma plataforma de impacto social que acelera ONGs em favelas no Brasil inteiro. A gente trabalha com educação, desenvolvimento econômico e cidadania. E eu tô indo para um lugar muito desafiador que vai levar muito tempo para chegar lá, com um obstáculo imenso pela frente que é mudar, nos próximos quatro anos,  o empreendedorismo social de liga nas favelas e, num longo prazo, colocar a miséria da favela no museu. Para muitos parece uma batalha inglória, dificílima, mas acho que se o homem está tentando ir para Marte para oferecer vida multiplanetária para humanidade, por que não? Isso não deveria ser um sonho só meu! Era para ser um sonho da sociedade, de todos nós. Se a gerando Falcões não chegar, nós não chegamos. Mas eu acho que a gente tem chances reais chegar, pois temos ao nosso favor um país com brasileiros incríveis e muito talentosos, temos um time extraordinário na Gerando Falcões, temos doadores, temos muita capacidade de reimaginar o futuro, temos tempo… Ainda sou jovem, tenho 32 anos, tenho algum tempo pela frente, além de muitos parceiros e muita energia.

 

inVoga: E sua mãe, quem era essa mulher tão sábia que, apesar das adversidades, influenciou tanto e de forma tão decisiva a sua trajetória?

 

Edu Lyra:  Minha mãe, num ambiente de tanta contrariedade, de muita exclusão, miséria social, pobreza extrema e falta de política pública, conseguiu me proteger, me dar amor e se tornar a maior inspiração que eu tive na vida. Ela não tinha dinheiro para me proporcionar muita coisa, mas o barraco da nossa casa, mesmo tão pobre, era muito limpo e tinha aquela figura ali para me apoiar. Mesmo não tendo as melhores roupas, comida necessária ou qualquer infra-estrutura, ela dava seu coração, seu amor… e parece que funcionou! Então, eu tô aqui por conta dela e do meu pai também, que, lá na frente, pagou a dívida com a justiça, decidiu sair do crime e voltou para casa há mais de 20 anos. É casado com a minha mãe, é o avô da minhas filhas e uma inspiração para mim, porque se, lá atrás, eu tinha nele o que não deveria ser, hoje, tenho nele um exemplo de pai, de amigo e de cidadão.

 

 

inVoga: Como você lidou com a prisão dele e como era/é a relação de vocês?

 

Edu Lyra:  O meu pai hoje é um amigo, é um líder espiritual que teve um encontro muito bonito com a fé, o que o ajudou muito a se restabelecer na vida. É um avô maravilhoso, muito babão, apegado à Luiza e à Lara. A gente corre junto todos os finais de semanas – ele corre mais do que eu, sempre me dá um trabalho danado para eu acompanhá-lo. Aprendo muito com meu pai, porque a vida é sobre errar, se arrepender, aprender com seus erros e consertar, se aprumar. Meu pai foi criado no bairro muito violento, numa situação em que a maioria virava bandido e ele seguiu um caminho errado naquele momento, mas eu também não poderia jamais julgá-lo, porque não tava na pele dele, não sei o que ele viveu. Não quero justificá-lo, mas ele deu a volta por cima, saiu do outro lado, provou para mim que ia conseguir e conseguiu. Então,

eu tenho o maior orgulho do meu pai não ter morrido antes dos 25 anos, que seria o caminho mais óbvio, e de poder conviver com ele hoje, de podermos ser dois grandes amigos.

 

 inVoga: Pela realidade que te cercava, em algum momento você pensou em seguir outro caminho tido como “mais fácil/mais natural”? A gente sabe que as chaves não viram do dia para a noite. Como foi essa construção dentro de ti? O despertar de que você podia não apenas transformar a sua realidade e a realidade dos seus, de que podia ser agente de algo muito maior, que impactasse gerações?

 

Edu Lyra: Para quem cresce na favela o crime é a opção mais óbvia. Está ali tudo muito mais ao seu alcance, fácil, o tráfico, o crime, então, eu já fui convidado para participar de quadrilhas, para fazer assalto, para usar drogas e eu nunca aceitei, porque eu já via a minha mãe sofrendo muito com meu pai por conta das escolhas que ele havia trilhado, via a minha mãe visitando meu pai na porta de presídio, via minha mãe sofrendo muito e cresci sem pai, até os meus 7 anos, isso era muito difícil e ruim para uma criança. Eu não queria que a minha mãe sofresse o mesmo por mim, não queria que  ninguém sofresse o mesmo por mim. Pelo contrário, eu queria dar alegria, queria dar prazer para minha mãe. Então, eu acho que a vida depende muito da perspectiva que você olha para ela.

 

Se você olhar para a vida na perspectiva errada, você tem um razões para não fazer nada, pra pegar em armas e granadas e montar quadrilhas, facções. E, se, apesar de tudo, conseguir olhar para a vida na perspectiva correta, você tem mil razões para fazer a coisa certa, correr atrás, dar uma resposta para o sistema. A minha vida é uma resposta para o sistema, para estatística, de dizer: “vocês não me pegaram, vocês não me alcançarão, eu sou maior do que vocês, eu superei vocês”, Então, é o meu jeito de dar uma resposta para tudo aquilo que tentava me sentenciar a pobreza extrema, a miséria, que me dizia que eu não podia por ser pobre, preto, favelado. Eu peguei tudo isso e falei: quem está no controle da minha vida sou eu e não você, estatística, e não você, sistema ou sociedade. Eu adoro saltar obstáculos,  adoro desafios, porém, sei que a minha história é exceção da exceção, não é a regra num Brasil tão desigual e caras como eu precisam dedicar sua vida para fazer com que histórias com a minha se tornem a regra e não é exceção.

 

 

inVoga: Nesse momento, alguém te desacreditou? E do contrário? Teve quem, apesar de todos os desafios, te dissesse para ir adiante?

 

Edu Lyra: Eu tomei muitos nãos na vida e esses nãos me fortaleceram demais. Imagina um cara, saindo da periferia, camiseta, tênis, afro-descendente, indo fazer reunião lá na Faria Lima… era baita uma contradição, né? Chegava lá no hall daqueles grandes prédios, na recepção, e falava: “ah! vim falar com o senhor fulano de tal, tenho uma reunião”. E o cara falava: “Você é o office boy? E eu falar que não, que sou o CEO de uma ONG, de um negócio social e as pessoas não acreditarem, mandarem eu subir pelo elevador de serviço, enfim, uma confusão danada. Eu passei isso várias vezes, vários constrangimentos, mas sempre encarei sabendo que o problema não tava na comigo, estava com quem fazia isso. Nenhuma dessas situações nunca afetou e nunca balançou minha autoestima, minha energia, minha força. Pelo contrário. Sempre me deu mais vontade de correr atrás, de fazer, de criar. É como eu sempre digo: para cada muro que encontrei, construí uma ponte. E a Gerando Falcões é fruto disso, fruto de muita persistência, perseverança, muita raça, muita vontade, pouquíssima genialidade e muito suor, muita força para bater em 100 portas para uma se abrir. É por isso que a gente conseguiu fazer da Gerando Falcões uma referência hoje e trabalhar com escala, porque a gente tomou tanta porrada que ficou um pouco mais duro e falou também: “Ah! Não vamos parar nunca, vamos atrás e fazer acontecer”. Ainda temos muito pela frente, ainda estamos no passo um, mas com muita vontade. Adoro ser empreendedor social, é a  paixão da minha vida, me encontrei e acredito, verdadeiramente, que esse é o caminho para mudar o Brasil.

 

inVoga: Inclusive, uma frase emblemática sua sugere que se, for o caso, é melhor trocar de amigos do que desistir dos sonhos. Isso aconteceu com você na prática? E os sonhos, depois de realizados, te trouxeram novos amigos? Como identificar se eles não vieram apenas pelo sucesso?

 

Edu Lyra: Acredito que, se esses amigos estiverem boicotando, desacreditando seu sonho, é melhor que troque. É melhor andar sozinho do que mal acompanhado na vida. E os sonhos são seus, ninguém vai realizar o seu sonho no seu lugar, só você. Você é o autor dele, então, uma vez que você é o autor, você tem que ir atrás para para construí-lo e para colocá-lo de pé, para tornar isso realidade.

Eu sempre fui muito sonhador na vida. Sempre fui muito pobre, mas compensei a pobreza com muito sonho, e quem tem sonho já tem um caminho andado, né? Porque sonhar parece óbvio mas não é tão óbvio. Muitas pessoas não sonham, muitas pessoas vivem no automático. Elas acordam tomam um café da manhã, assistem à TV, veem uma notícia, mas não necessariamente constroem um sonho. O Brasil precisa desses desses sonhadores, o Brasil precisa apoiar todos aqueles que acreditam que um outro amanhã é possível, pessoas que re-imaginam um futuro e buscam as ferramentas construí-lo.

A ONG que mais capta recurso no Brasil não é brasileira, é francesa e é uma ONG incrível que faz trabalhos magníficos no exterior, mas por que uma ONG brasileira não pode ser a maior mobilizadora de recursos num país tão desigual?

Será que eu tenho que me chamar Jeff ou Will para fazer coisas incríveis ou ter nascido nos Estados Unidos ou na Inglaterra? Não. Eu posso ter saído da favela, ser preto, filho de um ex-bandido, filho de uma mãe diarista, de um avô faxineiro e fazer coisas extremamente relevantes, mas o Brasil precisa acreditar no brasileiro, a gente precisa se apoiar.

As startups nasceram na favela, quando os caras, por conta da necessidade, criaram um negócio no quarto de casa. Isso é inovação e, se a gente apostar nessas inovações e nesses inovadores, o Brasil tem muito mais chance de mudar. Todo mundo precisa ter um portfólio de investimento de indivíduos que transformam. Mas, se não pode tanto, que doe 39,90 por mês, mas doe. Tenha um portfólio de investimento em indivíduos que transformam! Só assim o Brasil pode ser melhor no futuro e o Brasil do futuro é construído por todos nós todos, juntos.

 

inVoga:  Como foi que a Gerando Falcões deixou de ser sonho para se tornar realidade? Relembra um pouco lá do início, de como você desenhou o projeto, como ele nasceu e, depois se expandiu para se tornar o que é hoje!

 

Edu Lyra: Ele começou muito pequeno, como as coisas tem que começar e acredito que os pequenos começos devem ser sempre valorizados e celebrados. Eu publiquei um livro de forma independente, chamado Jovens Falcões, montei um time com 30 jovens e a gente vendia o livro de porta em porta, por R$9,99. Em três meses a gente vendeu 5.000 livros, eu peguei esse dinheiro e usei para  fundar a Gerando Falcões, no quarto de casa com mais três pessoas: Amanda Boliarini, a Mayara Lyra e o Lê Maestro. Uma história da nascida na periferia de São Paulo, ali em Poá, no extremo leste. Parecia que não ia dar em muita coisa, mas essa é força do empreendedorismo social. O empreendedor é um criador, ele cria coisas para solucionar problemas, tem uma alma engenheira e, para ter essa alma engenheira, não precisa ter ido para universidade Engenharia, precisa querer resolver os problemas do dia a dia. Para fabricar ponte não precisa ser engenheiro com diploma em Harvard, precisa querer criar relações humanas que desafiem o status quo, a forma como as pessoas vivem e como elas se relacionam com os problemas e é isso que a gente faz todos os dias até hoje. Nós conhecemos, hoje estamos em centenas de favelas, temos um modelo de gestão arrojado, inspirado nos mecanismos de administração da Ambev, com metas, indicadores de performance, rituais de gestão, planos de carreira e gratificação para os colaboradores.  Temos uma frente de inovação muito grande, na qual 70% do que a gente faz a gente comunica para o mercado e 30% ninguém sabe, são projetos que residem no nosso laboratório de inovação secreta dentro das favelas.Sonhamos muito grande, temos o pé no chão, mas andamos rápido, não temos problema com erro, mas aprendemos rápido, consertando e seguimos em frente. E temos um propósito, um propósito em comum, a maioria das pessoas acreditam que vamos fracassar porque a favela não vai mudar a sua cara, mas acreditamos que vamos conseguir e é isso que nos move todos os dias.

 

 

inVoga: De que forma o esporte, a cultura e inovação ajudam no desenvolvimento de lideranças dentro da favela?

 

Edu Lyra: A gente usa o esporte e a cultura para fazer coisas incríveis, como reforço escolar, desenvolvimento de habilidades socioemocionais e despertar o sonho nos jovens e nas Fora isso, temos ainda a área de desenvolvimento econômico que atua em duas verticais de qualificação profissional e fomento ao empreendedorismo nas favelas, que tem gerado muita renda, dado oportunidade para muita gente. A Gerando Falcões tem, ainda, uma frente de trabalho com tecnologia através de plataformas híbridas de ensino e de impacto, com foco muito grande em encontrar outros Edus e outras Dudas e desenvolvê-los para que eles possam ser empreendedores sociais ainda melhores nas favelas e acelerar o desenvolvimento das suas principais habilidades, transformando mais e mais realidades. Tudo isso na Falcons University,  que é a Universidade da liderança social. Eu digo que que o Mandela criou uma faculdade na cadeia e nós criamos uma na favela. É uma universidade informal que tem desenvolvido muitos líderes na construção de um ecossistema de líderes sociais, vai mudar seguramente futuro das favelas no Brasil no longo prazo.

 

inVoga:  Na sua opinião, o que ainda falta para que a gente se perceba de fato como grupo e desperte mais para as necessidades do outro, para a nossa função social?

 

 

Edu Lyra: Eu acho que é uma batalha de longo prazo. A Filantropia no Brasil ainda representa menos de 0,5% do PIB. Nós vimos um avanço significativo agora na época do COVID-19, mas ainda tem muito para avançar no Brasil, das pessoas doarem, porém doarem a longo prazo, terem uma cabeça de donos também daquele problema, porque a gente não pode querer ser dono só das coisas boas do Brasil, do Cristo Redentor, do carnaval, da pujança econômica, da Faria Lima… As pessoas também são donas da desigualdade, da favela, tudo isso também é fabricado por nós somos e as pessoas só são parte das solução se elas quiserem, se aceitarem o problema. Não tem como querer mudar as favelas sem ter nunca ido às favelas, não tem como querer mudar o problema da desigualdade e do racismo sem nunca ter conviver com negro ou preto. As pessoas tem que topar ser parte do problema, conviver, se relacionar, para passarem a ser também parte influente na solução e todo mundo pode ser solução.

 

 

inVoga: Ao longo de todo esse tempo, você deve ter vivenciado muitas histórias marcantes de transformação. Consegue lembrar de alguma que te marcou, que acendeu aquela lanterna interna de que você está no caminho certo?

 

Edu Lyra: São muitas, mas acho que eu mencionaria a unidade da Gerando Falcões de São José do Rio Preto, as Valquírias, que depois da nossa parceria eles conseguiram ampliar muito mais seu impacto, captar muito mais recursos. Eles estão posicionados dentro de uma zona de prostituição, também em algum nível infantil,  e têm construído qualificação profissional, ofertado programa de reparo social , de treinamento, de  desenvolvimento, empregado tanta gente, batido metas, são referência no sistema de gestão, então, histórias como essa, quando você consegue efetivamente acelerar impacto dessas lideranças, trabalhar autoestima delas, fazer com que entendam seu papel na sociedade e o quanto ainda podem impactantes, são transformadoras também para quem as vivencia de dentro. E o mais interessante é perceber que quando a gente olha para grandes empresas tem sempre gente por trás, como Apple e Steve Jobs, Microsoft e Satya Nadella. Nas favelas é a mesma coisa, você precisa fazer uma revolução RH, você precisa escolher as melhores pessoas, você precisa treinar, desenvolver, precisa criar um suporte para que eles não morram de fome. O Brasil não pode deixar os seus empreendedores sociais, esse heróis, sem ter dinheiro para pagar um aluguel, para pagar a conta de luz e água, isso é inaceitável. Nós temos que apoiar e temos feito isso em escala, o que enche meu coração de alegria.

 

 

 

inVoga: Algo que se popularizou – e polarizou –  muito nos últimos anos foi a crença de meritocracia. Qual sua visão a respeito? Algum dia poderemos de fato falar em conquistas que se dão puramente por mérito?

 

Edu Lyra: São dois aspectos diferentes. Por exemplo, na Gerando Falcões, a gente tem sistemas de avaliação sobre o mérito de cada pessoa, mas todo mundo tem salários iguais, se alimenta, come,  tem oportunidade, tem treinamento, é desenvolvido diariamente, então, isso é justo. Agora numa sociedade onde alguém parte 100 metros na frente, tomando café da manhã,vitamina, etc. E alguém parte 100 metros atrás, sem tomar café da manhã, sem dormir à noite por conta de barulho de tiro de policia, com bandidos na favela, com pai preso, lar desestruturado, dormindo no meio de rato, dormindo no meio de córrego aberto, não dá para ter meritocracia em um ambiente desses e esperar que todo mundo seja o Edu Lyra, que vai fazer tudo isso que fez, não dá, a vida não é assim, é muito diferente disso. Eu acho que quem largou na frente, quem tem mais musculatura, tem que segurar a corda para quem está no fundo do poço subir. Isso é fundamental na vida e, por essa razão, a gente lançou agora um programa para treinar e desenvolver jovens das principais famílias empresariais do país, como família Mattar, Ávila e tantas outras, para que esses jovens tenham uma vivência em favelas, em presídio, em escolas comigo e, a longo prazo, assumam o compromisso de trabalhar junto para mudar o Brasil. Quem largou na frente precisa ajudar quem largou atrás.

 

inVoga: Para você, quem largou na frente está despertando para isso?

 

Edu Lyra: Eu sinto que sim. Pelo menos os convites que a gente tem feito, todos têm aceitado, até porque se a gente não mudar esse país, vai chegar um momento com tanta desigualdade que as pessoas vão ter vergonha de ter o que tem, De ter um carro bom, de ter uma casa boa, porque é muita desigualdade, é muita diferença social. Ou as pessoas vão ter que viver sempre encastelados, em carros com vidros à prova de bala ou morar em Miami. Mas, por outro lado, se toda a elite do Brasil foi morar em Miami, isso também para de funcionar.

Temos que derrubar os números, temos fabricar as pontes e branco e pobre viver junto, direita e esquerda, gay, evangélico ou judeu. Colocar todo mundo para comer arroz e feijão junto, na favela, e falar: vamos construir solução, eu vou botar dinheiro, vou botar a ideia, vou botar tecnologia, vou botar meu tempo… misturar tudo e fazer uma sopa de transformação social! Não vejo outro caminho.

 

 

inVoga: Você se define uma pessoa pessimista, realista ou otimista em relação ao mundo pós-pandemia?

 

Edu Lyra: Eu sou muito otimista! Acho que vai mudar, mas não podemos baixar a guarda, temo que continuar falando, temos que continuar criando mecanismos, senão as pessoas acham que está tudo bem. Por que será que toda vez que a gente abre o jornal ou um Portal quem aparece lá são sempre as mesmas marcas? Por que as ONGs não estão lá conversando com a população e lembrando sempre que não podemos parar? A gente tem que encontrar mecanismos de conversar com as pessoas da população em massa, de criar mobilizações amplas, de se comunicar cada vez melhor, de ocupar espaços, de fazer a porta abrir, a porta tem que abrir, não podemos desistir.

 

Se uma chave não abriu, pega outra chave e, se nenhuma chave abrir, pega uma escada e pula a janela, mas temos que entrar.

 

inVoga: Falamos muito de trabalho, mas a gente também quer saber o que você gosta de fazer fora da Gerando Falcões? Atividades, hobbies, interesses.

 

Eu gosto muito de correr, de ler… Estou lendo agora Onze Anéis, do  Phil Jackson. Gosto muito de filme, de séries da Netflix, de ter um tempo para mim, de andar, de pensar, de refletir, gosto de estar comigo às vezes também, de estar com a minha família, minhas filhas, de passar, beijar, abraçar, estar com minha esposa, estar com pessoas que eu amo e isso me faz muito bem! Mas eu adoro ler, sou fascinado em ler e ouvir música, saborear coisas foram feitas com algum nível de sofisticação. Eu preciso cuidar de mim para cuidar do mundo. Se não, a conta não fecha.

 

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.