Especial Namorados com Gabriela Prioli e Thiago Mansur

Nesse mês que celebra o romance, nossa equipe conversou com Gabriela Prioli e Thiago Mansur, casal que iniciou sua história em 2016 e segue firme e forte mesmo em tempos conturbados como os que temos vivido. A vida a dois no cenário em que nos encontramos parece mais desafiadora que o normal (aliás, o que é normal?), e é sobre isso que a gente falou com esses dois, que parecem equilibrar a harmonia entre eles mesmo diante de mudanças repentinas no mundo, na rotina e em suas vidas. Afinal, não seria isso viver e se relacionar? Parceiros que, preservando suas individualidades, compartilham uma mesma estrada. FOTOS: Iude Richele (@iude)

Gabriela é uma advogada e professora brasileira que ficou conhecida nacionalmente por ter sido umadas integrantes do quadro “O Grande Debate”, do telejornal CNN Novo Dia, da rede CNN Brasil, atuando como comentarista política na bancada e também no sofá de casa, de onde gera conteúdo para o seu youtube e comanda uma série de lives – inclusive, com a cantora Anitta, de quem é amiga. Atualmente, integra o time do programa O Mundo Pós-Pandemia.

Thiago, DJ e parte da dupla “Jetlag”, viaja o mundo apresentando-se em eventos para multidões com seus hits em grandes colaborações com diversos artistas, sendo considerado um hype na música eletrônica do país e no mundo. Mas, fora das câmeras e dos palcos, quem eles são? É que tentamos descobrir e compartilhamos a seguir, em um papo que fala sobre carreira, criatividade, mas também (e não menos importante) sobre partilha, intimidade.

Vocês vivem universos diferentes profissionalmente, como aprendem um com o outro em relação a essas diferenças?

Thiago Mansur: A gente sempre foi muito presente na vida do outro em todos os aspectos, inclusive profissionalmente. A Gabriela já produziu clipe do Jetlag, figurinos dos shows e ajudou dando opiniões na produção das músicas. E eu também sempre opinei e participei em todas as decisões profissionais dela. Acho que unir a sensibilidade artística de um com a firmeza e assertividade intelectual e acadêmica do outro foi muito importante em todas as tomadas de decisão.

Gabriela Prioli: Eu acho que a resposta dele foi perfeita. A gente se completa. Numa perspectiva mais pessoal: Thiago é muito mais otimista e confiante do que eu, por exemplo, e me ajuda muito a manter o ânimo diante dos temas difíceis que eu preciso estudar e debater. E foi ele quem me ensinou a não ligar pro julgamento alheio. Sempre foi muito mais desprendido e me ajudou nisso. Não fosse ele, acho que nunca teria aberto minhas redes. Eu, de outro lado, sou mais prática, realizadora. Eu faço acontecer nem que tenha que botar a mão na massa e fazer tudo sozinha em três dias sem dormir. Ele entra nesse meu ritmo (não sem reclamar um pouco, mas entra…)

Thiago, alguma característica da Gabi já te intimidou? Gabi, alguma característica do Thiago já te intimidou?

Thiago Mansur: Vocês devem estar esperando eu dizer que sim, mas a verdade é que ela é uma mulher muito sensível e doce, apesar de ter posicionamentos muito firmes. E ela me respeita. Nunca me senti intimidado, não.

Gabriela Prioli: Nunca. Thiago é o cara mais legal eparceiro que eu já conheci. Se preocupa com todo mundo, é adorado por todo mundo. Embora eu seja uma mulher forte, ele é muito seguro de si. A gente se levanta, não tem espaço pra intimidação.

De que forma vocês conciliam a relação, o trabalho e o tempo?

Thiago Mansur: Nossas vidas passaram a ser uma só, a gente vive junto em todos os aspectos. A Gabi tenta ir nos shows do Jetlag para se divertir e estar mais tempo junto, aproveitamos as viagens a trabalho, os shows em outros países para esticar e conhecer os lugares que passamos. No trabalho da Gabi eu estou bastante tempo junto ajudando na preparação, na estratégia e ajudando no que for necessário. O sucesso dela é o meu sucesso e vice-versa. Assim tempo, trabalho e vida pessoal estão completamente interligados, é isso que traz plena cumplicidade.

Gabriela Prioli: A gente tenta, mas não concilia. Thiago reclama que eu trabalho demais, mas eu acho que ele trabalha mais que eu. No final das contas, tá tudo meio misturado. Enquanto estiver funcionando, tá bom. De vez em quando ele pede pra eu desligar um pouco. Nos últimos meses foi mais difícil, mas a gente consegue ter tempo de qualidade e eu o convenço   que um ótimo jeito de desfrutarmos juntos é debater um livro que eu tô lendo, ou assistir a um documentário (risos).

Vocês conseguem ver coisas em comum na faceta profissional de cada um de vocês, mesmo exercendo profissões tão diferentes?

Thiago Mansur: Determinação, muito estudo, comprometimento e acima de tudo não se deixar abater por algum revés. Obstáculos nos fazem aprimorar nossa capacidade de superação.

Gabriela Prioli: tenho uma percepção interessante. Durante o tempo em que advoguei, nunca me vi como uma pessoa criativa, mas quando comecei a ajudar mais o Thiago, principalmente nos roteiros dos videoclipes, notei que escrever uma petição tentando convencer o juiz de uma tese que não é a que prepondera, era um exercício de criatividade. O processo era muito semelhante. Essa constatação me fez explorar mais essa habilidade e fortaleceu a minha convicção de que é um erro tentarmos compartimentar conhecimentos, áreas. O meu repertório construído nos anos de advocacia me ajuda hoje não só no conteúdo, mas de diversas maneiras. A interpretação criativa, a construção da tese, da fala no tribunal, a interação com os sujeitos do processo… tudo me ajuda a escrever um roteiro de videoclipe ou de vídeo pro canal, a preparar uma live.

O que vocês mais admiram no propósito de vida um do outro?

Thiago Mansur: Admiro a coragem dela em se mostrar de uma maneira que desconstrói o padrão da intelectualidade. Ela escancara características até então “impossíveis” de coexistirem em uma mesma pessoa. O estereótipo é: se você gosta de moda, se veste com brilho e de forma mais extravagante e se interessa por maquiagem, não pode ser culta, inteligente e muito bem preparada intelectualmente. Ela refuta isso e não sem dor. Foi e ainda é muito ridicularizada, mas fica firme porque acredita e não vê alternativa senão mostrar quem é. Depois do sucesso da Gabi, vemos que várias pessoas se sentiram à vontade para se mostrarem como são. Fora esse movimento de engajar as pessoas na leitura, que é muito legal e a cara dela, que, se bobear, gosta mais dos livros do que de mim.

Gabriela Prioli: Eu não gosto mais dos livros do que dele, mas ainda bem que eu não tenho que escolher! Thiago quer ver as pessoas felizes. Contentar, agradar. E mesmo quando a tristeza se impõe, admiro no Thiago a capacidade de não esmorecer. Nunca conheci alguém assim. É admirável. Ele não desanima. Tem uma fé impressionante. É muito forte.

Ambas de suas carreiras são traçadas por criatividade, inovação e know-how. Como vocês explicam essa necessidade de se reinventar?

Thiago Mansur: O mundo vem mudando muito rapidamente, e com muito impacto efetivo em suas mudanças. Temos aí esse momento de pandemia que fez a vida de todos no planeta ser afetada. E com certeza sairemos disso tudo num mundo diferente do que era meses atrás. E aí que entra a necessidade constante de se reinventar, para adequar seus hábitos, seu trabalho, sua rotina em geral ao novo padrão de convívio social que se apresenta. Quem usar a capacidade de inovar, com seu repertório pessoal e profissional, aliado a extrema criatividade, vai ter o diferencial para escrever a história da nossa existência daqui pra frente.

Gabriela Prioli: Eu sou muito observadora. Eu ouço as pessoas, observo o mundo e desenvolvo o meu trabalho a partir da minha percepção. Permitir nos reinventar é não nos prender. Não sou uma pessoa de verdades absolutas, nem no conteúdo, nem na forma. Há muito mais coisas no mundo sobre as quais eu não sei do que coisas sobre as quais eu sei. Então eu vou aprendendo e me reinventando.

Vocês têm algum projeto social com intenção para melhorar ou ajudar as pessoas ou o mundo? Como enxergam a necessidade de como um casal com essa força de influência podem ajudar nesse aspecto de engajar-se no aspecto social?

Thiago Mansur: Nós acreditamos que a educação pode mudar o mundo, pessoas bem informadas se tornam independentes, e assim a sociedade evolui. Por isso as ações sociais que nos envolvemos ultimamente tem sido no sentido de trazer essa mudança de dentro pra fora. Quando compramos e doamos todos os exemplares disponíveis na Cia. das Letras do livro “Pequeno Manual Antirracista” da Djamila Ribeiro, a intenção foi difundir informação, por meio da leitura. Uma pessoa informada pela leitura de uma autora negra vai replicar esse conhecimento e assim ampliamos a chance de uma mudança concreta. Não há possibilidade real de mudança longe da educação. Participamos também de outras ações sociais como doação de recursos diretamente para o combate ao covid19, a setores específicos como profissionais de eventos (que é minha área) e a comunidades carentes que estão com dificuldades nesse momento, mas a nossas ações de longo prazo são pela educação.

Gabriela Prioli: Até quando eu penso em como desenvolver o meu trabalho, a ideia de democratizar o conhecimento tá sempre presente. Nas lives com a Anitta, nos vídeos do canal, em tudo… eu acredito muito na educação como caminho pra autonomia. Thiago falou das doações em virtude da pandemia, mas é importante falar que mesmo antes do coronavírus, nos já vivíamos num mundo muito desigual. Parte do que a gente ganha é destinada para projetos sociais e isso vigora desde sempre. Fui criada numa família com essa cultura.

Thiago, se pedirmos pra você citar três músicas que te lembre a Gabi, quais seriam elas?  

Thiago Mansur: FLY (Jetlag) e Brisa (Jetlag) que ela participou desde dando palpites na letra etc até a produção do vídeo clipe escrevendo roteiro, fazendo figurino etc. (No clipe de fly nos pulamos de para quedas pela primeira vez juntos) e qualquer uma da Maria Betânia que ela gosta.

De que forma esse período de quarentena e home office impactou a vida de vocês como casal? A demanda de geração de conteúdo atrapalhou em algo?

Thiago Mansur: A quarentena nos fez ficar ainda mais próximos. A Gabi estreou na quarentena e meus shows foram todos adiados, então a rotina mudou completamente nossa dinâmica, fazendo com que eu participasse efetivamente dessa mudança dela, que teria sido mais difícil pra ela se eu estivesse viajando.

Gabriela Prioli: É isso. A gente sempre produziu conteúdo, mas a minha demanda aumentou e é bom ele poder estar aqui pra ajudar.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.